PCO – Planejamento e Coordenação da Operação

prefeitura.rio/riosaude/pco

Como escolher a lista de pacientes a serem operados em um hospital? Na maioria das instituições, no Brasil e no mundo, a decisão é feita por um enfermeiro, que leva em conta critérios como a gravidade do paciente e a agenda do cirurgião. Na hora da cirurgia, no entanto, vários motivos podem levar à suspensão ou ao adiamento do procedimento: falta o tipo de sangue adequado, falta o material necessário para a operação, ou falta leito específico para o paciente depois da alta. Isso porque são muitas as variáveis envolvidas no processo, e é impossível para a mente humana coordenar todas ao mesmo tempo. Para evitar esses cancelamentos, muitas instituições optam pela mega estocagem ou adquirem mais equipamentos, ou constroem mais salas. Em parceria com os engenheiros da Coppe-UFRJ , a Empresa Pública de Saúde do Ri ode Janeiro - RioSaúde chegou a a uma solução diferente: acreditamos que seria possível aumentar a produtividade e segurança dos centro cirúrgicos otimizando as variáveis necessárias para que um procedimento cirúrgico se realize. E funcionou. Nosso projeto piloto aumentou em 40% a produtividade de um centro cirúrgico público, sem aumentar equipe ou materiais.

Plataformas:

Android iOS Web

Características:

Público Alvo:


Estágio de Evolução:

Escala

Updates:

Sem atualizações

Descrição Detalhada:

O "pulo do gato" da solução foi buscar inspiração em outras indústrias para resolver um problema típico dos hospitais. Encontramos a saída olhando para os aeroportos. Nesses locais, não é uma pessoa que decide qual avião pousa, em qual pista, em qual finger, quando entra o caminhão de abastecimento, etc. O controle é feito por um software - sequenciador - que otimiza os tempos e os passos, usando algoritmos matemáticos complexos. O PCO adapta um sequenciador desse tipo para o ambiente hospitalar. Leva em conta variáveis como tempo de cada cirurgia, equipamentos necessários, banco de sangue, leito no pós operatório, tempo de recuperação médio para cada procedimento, agenda dos médicos, criticidade de cada paciente, etc, para sugerir uma agenda otimizada de cirurgias. A solução apresenta ainda, em aplicativo mobile, a agenda das cirurgias para que médicos e demais profissionais se organizem. Os acompanhantes acompanham em telões o andamento das cirurgias. Tablets no centro cirúrgico, usados para que profissionais sinalizem cada passo do procedimento, também exibem o protocolo de cirurgia segura, minimizando riscos de infecções. Já instalada em um hospital público do Rio de Janeiro - Hospital Municipal Lourenço Jorge - a solução agora está pronta para ser replicada, tanto em hospitais públicos, quanto privados.

Apresentação:

Não informado

Equipe:

Nome: Bruno Aragaki

Função: Comunicação

Linkedin

Contato:

E-mail: brunoaragaki.riosaude@gmail.com

Telefone: 21 990 228 870

URL adicional: http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/edicoes/2017/01/31.html#!v/5614825